Qual o interesse do governo americano em facilitar a emissão de vistos para brasileiros?

Radiantes, diante da desenfreada busca dos brasileiros em aproveitar as ofertas da nova política de concessão de vistos de viagens, com destino as terras do Tio Sam, os norte-americanos estão apostando no aquecimento do mercado.

As medidas anunciadas pelo governo americano, tornando o processo de concessão de vistos mais acessível e rápido, comprova que o potencial econômico e industrial crescente destaca o Brasil no mercado emergente. Considerado no cenário mundial, como a maior economia da América Latina, a decisão do espaço garantido aos brasileiros, ávidos em aproveitar as oportunidades de turismo e compras, se justifica.

Um dos argumentos que justificam a estratégia na aplicação das novas regras que beneficiam, além dos brasileiros, os cidadãos chineses, é sem dúvida, as estatísticas que apresentam a economia americana com elevada taxa de desemprego. Do outro lado, Brasil e China se destacam na ascensão econômica e no alto poder de consumo.
Certamente a indústria do turismo americano será contemplada com a criação de novos postos de trabalho, afinal o Brasil aponta no ranking como o terceiro país que mais compra nos Estados Unidos, atrás apenas do Japão e do Reino Unido. O Departamento de Comércio dos Estados Unidos informou que em 2011, foram gastos US$ 6,8 bilhões, ou seja, US$ 4,5 mil por pessoa, segundo matéria do Jornal O Estado de São Paulo.

Entre os produtos mais procurados pelos brasileiros pode-se citar: artigos eletrônicos, calçados, vestuário, enxovais para crianças e casamento. O Investimento compensa, tendo em vista, que os referidos produtos em território nacional recebem excesso de tributação por serem importados, e a valorização do real em relação ao dólar explica a alta dos preços no Brasil.
Segundo declarações do presidente norte-americano, Barack Obama, a equação é simples: mais visitantes nos Estados Unidos, mais americanos trabalhando. Os interesses comerciais e econômicos do Brasil e dos Estados Unidos facilitaram a vida de quem pretende viajar para realizar o sonho de conhecer os Estados Unidos. O país se reformula para receber os brasileiros, várias lojas já contrataram funcionários com português fluente e novas empresas estão sendo criadas para dar suporte a esses visitantes.

No Brasil, foram implementados serviços para facilitar e agilizar os trâmites na emissão do visto americano. Entre as novidades, ressalta-se a contratação de novos funcionários visando reduzir o tempo de espera para as entrevistas, bem como, fracionamento do atendimento em duas datas e a abertura de novos postos do Consulado em Minas Gerais, Recife, Rio de Janeiro e Brasília, com o objetivo de ampliar a capacidade de atendimento a nova demanda.

Os critérios para concessão de vistos ainda envolvem a necessidade de comprovar vínculos com o Brasil, no propósito de evitar a imigração ilegal. Segundo matéria do UOL, o consulado americano expediu em 2011, 944 mil vistos que representa 51% em relação ao ano passado. Nos dois primeiros meses de 2012, 180 mil vistos já foram expedidos.
Há quem considere tais medidas, puro jogo de interesses, uma vez que as facilidades oferecidas apontam o viés político do Brasil com os Estados Unidos. Há especulações de que a princípio pretende-se diminuir a taxa de recusa dos vistos, assegurando a facilidade de entrada de norte-americanos no Brasil.

No que tange as facilidades para obter o visto americano, após as tratativas em Washington, entre os presidentes Obama e Dilma, uma das intenções para alavancar a economia americana é direcionar os visitantes brasileiros para despender suas reservas econômicas nos Estados Unidos. Quem diria, tempos atrás, que chegaria o dia em que a demanda dos brasileiros seria uma das tábuas de salvação para a economia americana.

Regina A. da Silva Marcelino e Rosangela Alves da Silva: são alunas do curso de pós-graduação em Assessoria Executiva do UNIFIEO e membros do Grupo de Estudos de Comércio Exterior do Unifieo – GECEU.